quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Primeiras impressões certas: dom ou maldição?

Mais uma vez se comprova que tenho a capacidade de ter primeiras impressões bastante correctas relativamente às pessoas que conheço.
Mais uma vez se comprova que, mais cedo ou mais tarde, toda a gente se revela, dando-me uma razão que eu preferia não ter e, pior ainda, dizendo-me que afinal eu já sabia como era, apesar da ignorância forçada.
No dia em que eu me enganar nas primeiras impressões, eu aviso. Até lá, vou continuar a encobri-las, porque, acima de tudo, sou defensor do benefício da dúvida.

10 comentários:

  1. Sou exatamente igual. Normalmente a minha primeira impressão daquela pessoa está correta, claro que dou o benefício da dúvida, no entanto quase sempre a pessoa acaba por ser aquilo que eu já tinha em mente. Por exemplo: há uns tempos atrás conheci uma rapariga que veio cá para o apartamento. A minha primeira impressão não foi das melhores, comentei com o meu namorado que ela ia acabar por me dar dores de cabeça, ele disse para eu não pensar assim, que ela era simpática e que devia dar-lhe uma oportunidade. Dei é certo, mas continuei com a minha impressão. Quem é que estava correto? Eu claro, mais tarde ela veio a comprovar isso. Toda de nariz empinado, com contas por pagar e coisas estranhas a acontecer por aqui. Fiquei feliz por estar certa? Não porque preferia que tudo corresse bem, mas olha é a vida :)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inicialmente, sentia-me má pessoa por pensar negativamente sobre as pessoas, sem ter provas que me fizessem pensar assim. Era apenas um feeling mas, por achar que isso fazia de mim uma pessoa menos boa, sempre tentei evitar esse tipo de pensamentos. Ora, com o "treino", hoje em dia tiro a pinta à primeira mas trato logo de empurrar isso para um canto, esquecer o assunto e julgar as pessoas por aquilo que elas vão aparentando ser... até que... puff! Tinha razão desde o primeiro olhar.
      Quem vê caras, vê corações!!

      Eliminar
  2. As maiores desilusões da minha vida apanhei-as por não querer ver as pessoas da forma que elas são realmente. A máscara que punham era perfeita? Era, de facto. Mas eu também não soube ler os sinais. Acho que preciso de um curso de "primeiras impressões"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No meu caso, acaba por não ser uma desilusão propriamente dita. É um pouco, mas, no fundo, não sou apanhado de surpresa. Há máscaras perfeitas de facto, mas todas as máscaras acabam por cair, eventualmente. Aplaudo quem tenha a capacidade de manter sempre a máscara.

      Eliminar
    2. Acho que mais cedo ou mais tarde a máscara cai. E com o tempo aprendo a não me deixar apanhar de surpresa também.. A prática faz o mestre!

      Eliminar
    3. Só espero é que sejas mestre com pouca prática, senão estás tramada.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Eu tenho outro poder fantástico que é associar frases a músicas foleiras.
      O teu comentário fez-me lembrar a música "O Filho do Recluso".

      Eliminar
  4. também sou assim... uma pessoa tem uma espécie de pressentimento no que aquilo vai dar, mas depois dá uma chance, o benefício da dúvida... para concluir que afinal mais valia era ter seguido o feeling inicial...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É complicado termos na cabeça duas versões da mesma pessoa...

      Eliminar

Aceitam-se pires de amendoins.