sábado, 21 de janeiro de 2017

Banhos de Sábado

O gato apanha banhos daquele sol de início de tarde, naquela pequena varanda onde mal cabe, neste Inverno mais frio que o normal. 
As janelas estão abertas. Lá dentro alguém arruma o que sobra de um almoço de Sábado. Eu saio de casa a pensar que vou apenas sair, mas das janelas abertas soam os acordes de um fado, dumas colunas que propositadamente estão com mais volume que o normal.

Afinal não saio apenas de casa. Afinal, tal como o gato, apanho banhos de sol, de Lisboa, e de fado.

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Porque ainda ninguém se lembrou de cobrar pela Lx Experience.

      Eliminar
  2. Os meus banhos de sábado também costumam ser de sol - quando ele se deixa ver - de automimo (cabeleireiro, unhas, umas compritas, essas coisas) e muitas risadas -. O gato não sai, fica a apanhar sol no terraço...
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Fado canto-o eu, quando a tristeza me invade...

      "Lágrima":

      Se eu soubesse
      Se eu soubesse que morrendo
      Tu me havias
      Tu me havias de chorar
      Por uma lágrima
      Por uma lágrima tua
      Que alegria
      Me deixaria matar'

      É o fado que mais gosto. Que mais me diz.


      Eliminar
    2. É lindo! :) Afinal não te falta nada.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Que animal não tem sempre razão acima da nossa?

      Eliminar

Aceitam-se pires de amendoins.