quinta-feira, 16 de junho de 2016

Parte morre com eles

Nas minhas viagens a pé de casa para o trabalho, vão sempre aparecendo coisas que me fazem sorrir. Aquela criança a saltitar, aquele casal de papagaios inesperado que voa sobre a minha cabeça. Aquele velho que passeia o cão igualmente velho...

Mas estes últimos também me partem o coração. Os pêlos brancos de um condizem com os cabelos brancos do outro. O tremor nas mãos de um condiz com a pata manca do outro. Os olhos já pouco brilhantes de ambos. 
O que vejo ali são dois seres que se têm um ao outro. Que se tiveram antes, e que se têm agora, quando a vida está longe de estar longe da morte. Olho para eles e sei que quando um deles morrer, parte do outro morre também.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Aceitam-se pires de amendoins.